Fronteiras com o Paraguai e Bolívia são prioridades para segurança, diz general brasileiro

06/11/2011 08:30

 

A maior preocupação do governo brasileiro com a segurança são as fronteiras com o Paraguai e com a Bolívia, por causa do tráfico de drogas e armas. A avaliação é do chefe de Inteligência Estratégica do Ministério da Defesa, general Francisco Carlos Modesto, que participou nesta quinta-feira (3) da abertura da 7ª Conferência de Segurança Internacional do Forte de Copacabana.

“Essas são as áreas prioritárias para ocupação e deslocamento de meios tecnológicos. Na fronteira com o Paraguai temos cerca de 1,5 mil homens e na fronteira com a Bolívia, o equivalente a isso. Temos que multiplicar esse poder de combate com meios tecnológicos como aviões, helicópteros, embarcações e viaturas”, disse o militar.

Para o general, as fronteiras do País estarão melhor cuidadas quando for implementado o Sistema de Monitoramento das Fronteiras (Sisfron), que está em fase de projeto final, mas ainda sem custo quantificado. “Esse sistema vai permitir que consigamos, com equipamentos, satélites e radares, monitorar a fronteira.”

As Forças Armadas têm 25 mil homens na Amazônia. Segundo o general, seriam necessários pelo menos 32 mil soldados para garantir reforço na segurança fronteiriça. “Só que isso demanda tempo, com transferências e criação de novas unidades”.

Para controlar essas fronteiras, o general Modesto destacou o uso de novas tecnologias, incluindo Veículos aéreos não tripulados (Vants). Atualmente dois desses equipamentos estão sendo testados pelo governo brasileiro para capacitar pessoal. Um deles está sendo usado pela Polícia Federal (PF) e outro pela Aeronáutica.

Os Vants podem voar por 16 horas, a uma velocidade de 170 quilômetros por hora (km/h) e a 6 mil metros de altura, o que dificulta sua visualização. Carregam câmeras de alta resolução, que repassam informações à equipe de terra, com poder de captar imagens em infravermelho, permitindo detectar pessoas no escuro ou escondidas sob árvores.

O general espera que o País desenvolva tecnologia própria para fabricar a aeronave. “O mais importante é nos capacitarmos para fazermos o desenvolvimento de nossos Vants. Para isso temos que adquirir capacidade tecnológica, investindo em educação. Tecnologias sensíveis nem sempre se transferem”.

 

Fonte:
Agência Brasil

Portal Brasil

 

Voltar

Contato

JequiNotícias
Jequitinhonha - MG
CEP: 39.960-000

JequiNoticias © COPYRIGHT 2011-2015

Crie um site grátis

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!